Pesquisar
Close this search box.

Revista MEB de Educação Popular

Esta revista é um periódico eletrônico anual do MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DE BASE – MEB e teve sua primeira publicação em setembro de 2021. Foi construída dentro do processo de educação popular, ou seja, com a contribuição de pessoas que ao longo dos 60 anos do MEB trabalharam no movimento.

Edições

Confira aqui todas as edições da
Revista MEB de Educação Popular.

Home - Marca - Revista MEB
Chamada de Artigos - Site Revista MEB

Chamada de Artigos

Dossiê Temático - Educar para a Cidadania Ativa

Na edição anterior o tema desenvolvido pela Revista MEB de Educação Popular foi “Educar para a Democracia”. Nesta nova edição da Revista temos a possibilidade de concretizar esse processo educativo, tarefa permanente e continuada da educação popular, afirmando que a educação para a democracia encontra sua forma e complementação na educação para a cidadania. Não se trata apenas de transmitir conhecimentos relativos à Constituição e à cidadania como direito, mas de assumir com paixão a construção do estado democrático por meio da vivência da cidadania e o controle das políticas sociais. O povo é o ator principal da construção das formas democráticas de organização de uma sociedade e age para construir democracia, provocando mudanças culturais, afirmando os valores da dignidade humana, aprofundando a consciência dos direitos sociais e a sua efetivação. Paulo Freire dizia que o sistema não teme o pobre que passa fome, teme o pobre que sabe pensar.

A educação é um mecanismo de desenvolvimento pessoal do indivíduo e da própria sociedade em que ele se insere. Educar para a cidadania significa concentrar-se em um dos elementos mais desafiadores da construção da democracia brasileira que é a implementação dos direitos sociais. Estes se encontram solenemente proclamados na Constituição atualmente em vigor desde 1988. Basta percorrer a sequência dos direitos sociais no Art. 6 da Constituição federal: educação, saúde, trabalho, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância, assistência aos desamparados e constatar como a população vive no seu quotidiano, para perceber a fragilidade da nossa democracia: grande insegurança nas cidades e no campo, guetos de isolamento social, ampla discriminação entre os cidadãos, um sistema de seguridade social precário, falta de moradias e saneamento, mudanças climáticas e crise ambiental, grandes concentrações de terra e escassez de alimentos, analfabetismo, desemprego, etc. Trata-se então concretizar nas práticas quotidianas os discursos sobre a democracia.

Os direitos sociais, direitos constitucionais, estão ligados ao reconhecimento da dignidade da pessoa humana, bem como, a seus objetivos: construção de uma sociedade livre, justa, solidária, erradicação da pobreza, da marginalidade e redução das desigualdades sociais. É dever do estado fazer com que os direitos sociais sejam efetivados, criando mecanismos de implementação. É responsabilidade de todo cidadão consciente e ativo, verdadeiro militante, enfrentar problemas públicos ignorados ou geridos de forma burocrática e clamar por intervenções transformadoras. A educação popular visa à formação do cidadão participante, crítico, responsável e comprometido com a mudança daquelas práticas e condições da sociedade que violam ou negam os direitos humanos. Visa à formação de sujeitos capazes de julgar, escolher, tomar decisões e agir para exigir que não apenas seus direitos, mas também os direitos dos outros sejam respeitados e cumpridos. 

A terceira edição da Revista MEB de Educação Popular, a partir da reflexão sobre Educação e Cidadania, entendendo a educação como um bem orientado para a construção a ampliação da cidadania e propõe como título da terceira edição: “Educação para a Cidadania Ativa”. 

Está aberta a chamada para submissão de artigos até dia 10 de agosto de 2023. 

Participe do fortalecimento da educação popular e dialogue com vários campos do conhecimento, enviando o seu artigo de acordo com as orientações abaixo

Resenha

Reconhecemos a importância formativa da resenha para a contagem, conferência e verificação de informações contidas em manuscritos. Assim, a revista visa publicar resenhas que privilegiam a discussão sobre a Educação Popular e suas práticas e bem como estratégias pedagógicas desenvolvidas nesta área de formação.

Normas

O manuscrito submetido a esta revista passará por duas etapas de avaliação.

A primeira compreende averiguar, pela equipe editorial, se o manuscrito atende às exigências editoriais, com base em critérios de qualidade, relevância, entre outros. Além disso, são verificadas também as adequações às normas de submissão da revista, quanto aos seus critérios técnicos descritos abaixo:

a) Os artigos deverão ter no mínimo 10 laudas e no máximo 24, incluindo resumo, referências e dados dos autores.

b) As resenhas poderão ter até 10 laudas. O corpo do texto deve ser justificado, utilizar a fonte Times New Roman 12, espaçamento entre linhas 1,5.

c) Os depoimentos gravados deverão ter entre 4 e 6 minutos.

d) As entrevistas deverão ter no mínimo 25 mil e no máximo 38 mil caracteres com espaço.

e) O resumo para o artigo deverá ter no máximo 700 caracteres sem espaço e conter até 5 palavras-chave.

f) As referências deverão ser apresentadas de acordo com as normas da ABNT (NBr 6023, 2002).

g) Os artigos deverão conter os seguintes dados do autor: nome completo, titulação, agência de financiadora de fomento (se houver) e endereço eletrônico.

A segunda etapa se baseia no envio do manuscrito a dois pareceristas externos à revista, selecionados por especialidade e afinidade em relação ao seu conteúdo temático, os quais realizarão a “avaliação cega” do artigo, assegurando anonimato tanto dos autores como dos avaliadores.

Caso o manuscrito não atenda às exigências técnicas, os autores serão notificados.

Contato

Movimento de Educação de Base – MEB
SCS Quadra 03 Bloco A Nº 79
Brasília–DF CEP: 70303-000

Redes sociais

Projeto Visual e Desenvolvimento: Lavínia Design